26º Domingo do tempo comum

29/09/2019

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.

Evangelho - Lucas 16,19-31

Naquele tempo, 16 19 disse Jesus: "Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho finíssimo, e que todos os dias se banqueteava e se regalava.
20 Havia também um mendigo, por nome Lázaro, todo coberto de chagas, que estava deitado à porta do rico.
21 Ele avidamente desejava matar a fome com as migalhas que caíam da mesa do rico. Até os cães iam lamber-lhe as chagas.
22 Ora, aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado.
23 E estando ele nos tormentos do inferno, levantou os olhos e viu, ao longe, Abraão e Lázaro no seu seio.
24 Gritou, então: 'Pai Abraão, compadece-te de mim e manda Lázaro que molhe em água a ponta de seu dedo, a fim de me refrescar a língua, pois sou cruelmente atormentado nestas chamas'.
25 Abraão, porém, replicou: 'Filho, lembra-te de que recebeste teus bens em vida, mas Lázaro, males; por isso ele agora aqui é consolado, mas tu estás em tormento.
26 Além de tudo, há entre nós e vós um grande abismo, de maneira que, os que querem passar daqui para vós, não o podem, nem os de lá passar para cá'.
27 O rico disse: 'Rogo-te então, pai, que mandes Lázaro à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos,
28 para lhes testemunhar, que não aconteça virem também eles parar neste lugar de tormentos'.
29 Abraão respondeu: 'Eles lá têm Moisés e os profetas; ouçam-nos!'
30 O rico replicou: 'Não, pai Abraão; mas se for a eles algum dos mortos, arrepender-se-ão'.
31 Abraão respondeu-lhe: 'Se não ouvirem a Moisés e aos profetas, tampouco se deixarão convencer, ainda que ressuscite algum dos mortos'.


Palavra da Salvação.


Comentário do Evangelho

Frei José Anchieta Varela

Caros irmãos e irmãs, no Evangelho de hoje vemos representados no rico opulento os que vivem despreocupados, sem compromisso com a justiça, a fraternidade, a solidariedade. Estes tornaram-se ricos as custas daqueles que não tem lugar à mesa, são excluídos, passam fome. Os que se apegam as riquezas e vivem sem Deus. Desprezam não apenas os pobres, desprezam ao próprio Deus. Já o pobre Lázaro representa aqueles que nada possuem neste mundo, os que são simples, desapegados e generosos, fraternos e solidários. São pobre dos bens deste mundo, mas ricos de Deus. Quem se apega as coisas, ao poder, aos prazeres mundanos, que não pensa em Deus e no próximo, no final de sua vida perderá tudo, podendo perder ate mesmo Aquele que é o verdadeiro Bem, a maior riqueza que o ser humano pode ter. O pobre, o humilde, Deus eleva e dignifica porque ele não tendo nada, tem unicamente ao Senhor para sustentá-lo e prover sua vida. E nós, quem somos nesta passagem? Com quem nos identificamos? Somos opulento, gananciosos, egoístas? Desprezamos a Deus, pensando que o mundo pode nos satisfazer? Ou somos o pobre Lázaro, que nada tendo a que se apegar, ao morrer vai para a vida feliz junto de Deus? 

Que Deus te abençoe! Feliz dia do Senhor!